Marcenaria de geração para geração

Conheça a história de um marceneiro com mais de 40 anos de experiência, que evoluiu junto com a profissão

11

Antônio Joaquim Domingues e seu filho Vinícius, que estão à frente da Marcenaria União

Antônio Joaquim Domingues começou a trabalhar cedo, aos 12 anos, na marcenaria de um cunhado. No início, era só uma forma de não ficar o dia todo na rua, mas acabou se tornando um ofício e sua grande paixão.

Hoje, na profissão há mais de quatro décadas, Toninho – como é conhecido por todos – é proprietário da Marcenaria União, localizada em Penápolis (SP), e fala com orgulho dos mais de 30 profissionais a quem ensinou a arte da marcenaria, inclusive um de seus filhos, Vinícius, que está sendo treinado para assumir os negócios da família.

Nesta entrevista exclusiva, ele fala da evolução da profissão e da importância da adaptação e da reciclagem para os profissionais da área.

Marcenaria D – Como você vê a evolução da profissão nos últimos tempos?

Antônio Joaquim – A profissão evoluiu muito. Hoje, temos uma infinidade de materiais para trabalhar e o MDF possui diversos atributos. É preciso saber trabalhar com esses materiais que, para mim, são os principais avanços do nosso setor, já que aumentam a produtividade na marcenaria.

MD – Qual a importância da capacitação e treinamento para os profissionais?

AJ – Primordial. Desde que tenho minha marcenaria me dedico a transmitir meus conhecimentos aos jovens profissionais. Toda a minha equipe foi capacitada por mim. Aqui o pessoal começa como ajudante e vai se desenvolvendo, ninguém chegou já sabendo o que fazer. Acredito que os empresários e os profissionais experientes devem perpetuar seu conhecimento.

MD – Na sua opinião, o que o marceneiro precisa para ser bem-sucedido?

AJ – Dedicação acima de qualquer coisa. Sem isso ninguém chega a lugar algum. O trabalho de marcenaria também exige muito capricho, cuidado e criatividade.

guianduia trama

Cozinha produzida pela Marcenaria União com o MaDeFibra Gianduia Trama, da Duratex

MD – O que você mais gosta na profissão?

AJ – Sem dúvida o poder da transformação. Você pega um material e o transforma num produto lindo, que acaba transformando o ambiente e passa a fazer parte da vida do cliente. Para mim, isso é o mais interessante na marcenaria.

MD – Qual é a importância do marceneiro para o país?

AJ – Temos uma função essencial na área de construção civil e precisamos estar atentos para ocupar nosso espaço oferecendo um trabalho de qualidade e excelência.

MD – De que forma a escolha do material impacta o resultado final de seu trabalho?

AJ – O impacto é total. Escolher bons materiais é fundamental, acredito até que é a parte mais importante do trabalho. O uso do material correto facilita a execução do serviço e garante a satisfação do meu cliente. Com a variedade atual de produtos no mercado, eu tenho mais possibilidades de criar e inovar, o que é uma condição para continuar tendo sucesso na área.

2018-03-09-PHOTO-00000010

As instalações da marcenaria: organizada, limpa, iluminada e arejada

MD – Quais são as perspectivas para sua empresa?

AJ – Eu estou sempre me movimentando. Apesar da crise, conseguimos ampliar a marcenaria, que hoje ocupa um galpão de 520 m2, empregamos 11 profissionais e, nos últimos tempos, começamos produzir para redes hoteleiras de cidades do interior paulista. Isso tem sido muito importante para os negócios.